sábado, 26 de julho de 2008

O preço dos alimentos e...

...os alimentos industrializados.

Lembro-me de quando minha avó, ao sentar à mesa nos almoços de Domingo, bradava com seu bom humor napolitano: "Que martírio esta minha vida, quase 4 horas a preparar o almoço que será devorado em menos de 20 minutos".

Verdade seja dita, por mais sorrisos, elogios e carinhos que recebesse de seus 4 filhos e 10 netos a cada Domingo, se ainda vivesse nos dias de hoje ela já haveria de se ter rendido aos alimentos industrializados, semi-prontos ou àqueles que compramos nas rotisseries e que nos consomem apenas alguns minutos de observação à frente do micro-ondas.

Não é errado atestar que, se desejássemos hoje dominar a cozinha tradicional, como o fazia minha avó, teríamos de acrescentar pelo menos umas quatro horas nas 24 de que dispomos a cada dia. Em meio ao trabalho que nos consome além do horário do cartão de ponto, às visitas obrigatórias à academia, à rotina de levarmos nossos filhos à escola, ao curso de línguas, às aulas de Fu-Ken-Po, à nossa própria necessidade de estudos e reciclagem de conhecimentos, para não se falar das horas perdidas no trânsito das grandes cidades, o tempo que nos sobra para a dedicação à culinária não pode ser maior do que os poucos minutos perdidos à frente da gôndola de congelados ao ler as instruções de preparo nas embalagens.

É fato que a vida contemporânea "exige" nossa adaptação a este novo modo de alimentação.

Mas também é fato que, ao delegar às indústrias a preparação, acondicionamento e distribuição destes alimentos, nos vemos obrigados a suportar uma série de custos e a aceitar uma certa gama de "ingredientes" que não são exatamente tão saudáveis quanto os que minha avó estava acostumada a utilizar.

Do ponto de vista do custo, ao comprar uma caixinha de suco de laranja, além de pagar pelo produto que ela contém você também estará pagando para própria embalagem, pelos salários dos funcionários do fabricante, pela energia elétrica e depreciação dos equipamentos envolvidos no processo industrial pelo qual ele passa, pagará ainda pelo combustível utilizado em toda a cadeia logística envolvida, pelo espaço de armazenagem em cada uma das empresas nas quais os diferentes itens que compõem aquele produto são produzidos, pelas comissões de vendas, pela campanha de marketing e, óbviamente, estará suportando os lucros de cada um dos parceiros que compõem a intrincada teia que se forma atrás daquela inocente caixinha.

Além disto, é claro que você já ouviu falar de "valor agregado". O valor agregado é uma técnica utilizada pela indústria para adiconar ainda mais valor ao produto que oferece aos seus consumidores, cobrando por ele um preço ainda maior do que o que seria apenas justo. No entanto, este valor nem sempre está ligado à qualidade nutricional do alimento ou ao seu sabor. Entenda por valor agregado uma boa campanha de marketing, uma embalagem diferenciada ou a aditivação de componentes como vitaminas e minerais que não são exatamente aqueles que deveriam existir ali dentro.

E por se falar em vitaminas, parece óbvio que, após uma linha de produção tão extensa, os valores nutricionais dos produtos embalados nos saquinhos, latas e caixinhas, não poderão ser os mesmos que os encontrados nos produtos "in-natura". Ou você acha possível que aquele pacotinho de sopa industrializada contenha muito mais do que amido, aromatizantes e alguns outros produtos de baixo valor nutricional?

Justamente este aspecto pouco nutritivo dos alimentos que consumimos acaba por nos trazer ainda mais custos, quando passamos a necessitar de suplementação de vitaminas e minerais, que hoje compramos nas farmácias, ao contrário do tempo de minha avó, que os encontrava na quitanda vizinha de sua casa.

Agora você deve estar realmente bravo comigo, pensando que este doido aqui não deve ter mais nada a fazer senão apurrinhá-lo com idéias malucas que, sequer, poderão ser postas em prática, pois como todo mortal, você certamente não tem tempo algum para dedicar-se à culinária.

Mas veja que interessante, a modernidade também possui algumas descobertas que nos adiantam muito a vida. Já faz algum tempo que inventaram-se máquinas fabulosas que extraem sucos deliciosos e nutritivos de praticamente qualquer vegetal em poucos segundos, como as centrífugas, ou iogurteiras que preparam, praticamente sozinhas, deliciosos iogurtes com polpas de frutas naturais que beiram o manjar dos deuses. Há, ainda, panificadoras domésticas automáticas que preparam pães integrais maravilhosos apenas ao toque de um botão.

Com o avanço do conhecimento, descobriu-se também que a mais importante refeição do dia é a primeira, bem como que o seu jantar deve ser mínimo. Assim, se você conseguir se organizar para deixar seu iogurte natural preparado e os vegetais e frutas já lavados, poderá, em poucos minutos dar-se ao luxo de um café da manhã delicioso, barato e absolutamente nutritivo, resolvendo boa parte de sua alimentação diária.

E como não só eu e você vivemos nos concorridos tempos modernos, multiplicam-se nas estantes das livrarias e nos sites de culinária receitas simples, rápidas, práticas, nutritivas e absolutamente fabulosas em sabor.

Enfim, agora que você já conseguiu dividir suas compras ao longo da semana e já consegue fazê-las no comércio próximo à sua casa, talvez esteja pronto a saltar para o próximo passo e preparar os alimentos de sua família.

É claro que não é uma tarefa fácil, mas as boas surpresas poderão ser muitas. Garanto que você jamais encontraria o sabor e frescor de um suco de abacaxi com hortelã e salsa numa caixinha, assim como todas as sensações de saborear uma sopa de abóbora com gengibre se tentar prepará-la a partir de um pacotinho.

Além de economizar alguns reais, você estará consumindo uma alimentação absolutamente mais nutritiva e saudável e estará se arriscando a receber de sua família todos aqueles elogios e carinhos com os quais minha vó contava a cada Domingo.

Para ajudá-lo nesta tarefa estão aí algumas dicas. Divirta-se...

Livro de Receitas Dona Benta > Peça o seu Grátis

Receitas Simples > Site com algumas receitas interessantes

Algo Sobre Vitaminas > Uma introdução sobre vitaminas e alimentos

O Poder dos Sucos > Livro de Jay Kordich

As Vitaminas do Futuro > Livro de Wilson Kamargo

Todos os Sentidos > Site com dicas interessantes e algumas receitas

CONSEA > Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Um comentário:

Flavia disse...

Adorei os sites de receitas... realmente ajudam muito o nosso dia-a dia.
O sbor das refeicoes é ddiferente quando preparamos nós mesmos... mas o que achei mais interessante ( por incrivel que parece) é focar na 1a. reficao do dia e nao na ultima como costumo fazer pois é o momento onde a familia esta reunida.

grnde beijo,
Flavia Encinas